Pular para o conteúdo principal

Caio Blat & Ricardo Pereira: ENTRELINHAS



Por não acompanhar novelas, eu só fiquei sabendo da tão repercutida cena erótica de "Liberdade, Liberdade" no decorrer do dia seguinte, através dos muitos comentários nas redes sociais, rua e trabalho. 

Como ainda não tinha visto a cena, passei a tarde toda no serviço, até eu chegar em casa e poder assistir, tentando imaginar como poderia ter sido.

Aaaaah, que decepção!

Por todo o imenso murmurinho, pensei que tivesse ocorrido um coito pra valer - puxão de cabelo, chupões no pescoço, mordidas no peitoral, aranhões nas costas, "olha nos meus olhos", "fala meu nome, vai", "eu vou acabar contigo, safada(o)". 

Com tanta pornografia por aí, e de facílimo acesso a todos através das dos celulares, sério que ainda tem gente que se espanta com algo que passa na TV depois das 23h?

É o tipo de assunto que ninguém irá mudar a opinião de ninguém, pior do que a discussão "Messi x Cristiano Ronaldo". Então, quero me ater aqui apenas à uma "coisinha" que quase não li e nem vi ninguém comentar...A ARTE!

Nas entrelinhas de todos os debates acalorados, ali bem escondidinho, ficou o incrível trabalho artístico de  Caio Blat e Ricardo Pereira, que deram uma aula ao transmitir a dose perfeita de emoção que o momento pedia - amor, medo, ternura, desejo. 

Os atores, que até onde sei não são homossexuais, despiram-se de qualquer tipo de preconceito e se vestiram da roupa mais limpa de suas profissões - a arte pura e na essência. O artista, quando está expressando uma obra, não tem sexo ou gênero, ele simplesmente é livre. 

Pra mim, o mais importante disso tudo foi ter visto dois atores se entregando a plenitude da arte de interpretar. 

Uma ode a atuação! 


Cleydson Ramones

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )