Pular para o conteúdo principal

Caio Blat & Ricardo Pereira: ENTRELINHAS



Por não acompanhar novelas, eu só fiquei sabendo da tão repercutida cena erótica de "Liberdade, Liberdade" no decorrer do dia seguinte, através dos muitos comentários nas redes sociais, rua e trabalho. 

Como ainda não tinha visto a cena, passei a tarde toda no serviço, até eu chegar em casa e poder assistir, tentando imaginar como poderia ter sido.

Aaaaah, que decepção!

Por todo o imenso murmurinho, pensei que tivesse ocorrido um coito pra valer - puxão de cabelo, chupões no pescoço, mordidas no peitoral, aranhões nas costas, "olha nos meus olhos", "fala meu nome, vai", "eu vou acabar contigo, safada(o)". 

Com tanta pornografia por aí, e de facílimo acesso a todos através das dos celulares, sério que ainda tem gente que se espanta com algo que passa na TV depois das 23h?

É o tipo de assunto que ninguém irá mudar a opinião de ninguém, pior do que a discussão "Messi x Cristiano Ronaldo". Então, quero me ater aqui apenas à uma "coisinha" que quase não li e nem vi ninguém comentar...A ARTE!

Nas entrelinhas de todos os debates acalorados, ali bem escondidinho, ficou o incrível trabalho artístico de  Caio Blat e Ricardo Pereira, que deram uma aula ao transmitir a dose perfeita de emoção que o momento pedia - amor, medo, ternura, desejo. 

Os atores, que até onde sei não são homossexuais, despiram-se de qualquer tipo de preconceito e se vestiram da roupa mais limpa de suas profissões - a arte pura e na essência. O artista, quando está expressando uma obra, não tem sexo ou gênero, ele simplesmente é livre. 

Pra mim, o mais importante disso tudo foi ter visto dois atores se entregando a plenitude da arte de interpretar. 

Uma ode a atuação! 


Cleydson Ramones

Postagens mais visitadas deste blog

EM UM JURUNAS-MARAMBAIA

Vermelho, o sinal fechou!


Nossos veículos se emparelharam...
Eu no ônibus, voltando do trabalho e ela em um Palio azul, provavelmente voltando da escola, pois vestia um tipo de uniforme. Eu com meu fone de ouvido e ela com uma boneca no colo. Eu em pé, olhado a janela e ela sentada, olhando a janela. A mesma janela.

Verde! O sinal abriu! 


Meu ônibus andou três metros...

Chovia forte, engarrafamento enorme, ônibus lotado e um vendedor de guarda-chuva aos berros. Barulho da água caindo, barulho das buzinas, barulho das pessoas reclamando e um grito de "um é 20, dois por 30".


Vermelho de novo!


Novamente meu ônibus ficou lado à lado com aquele carro. Esta coincidência, naturalmente, trouxe dois sorrisos - um meu e um dela, a menina do Palio azul.

Ela apontou para os seus dois ouvidos, meio que perguntando sobre o meu fone que lhe chamou atenção. Sorri, fiz uma careta e apontei para sua boneca. Ela sorriu de volta, devolveu a careta, e assim foram todas as vezes que os nossos veículos se…

A INVEJA DO P...?

Seja na rua, no trabalho ou numa festa, uma das missões mais importantes e desafiadoras para os homens, que há muito tempo deixaram de ser das cavernas, é poder dar aquela coçadinha na região das partes íntimas sem que nenhuma mulher perceba.
Na verdade, a grande maioria das vezes não é uma coçada, mas simplesmente uma melhor acomodada no "meninão".

Essa arte milenar de se aliviar discretamentefoi estudada de maneira profunda por inúmeros especialistas, durante vários séculos, até chegarmos à fórmula mágica nos dias de hoje - bolso da calça. Basta fingir que vai pegar alguma moeda, bombom ou simplesmente guardar o celular, que está tudo resolvido. 

As mulheres reclamam! Dizem ser feio, mas jamais irão compreender, até por não terem um, que não é uma tarefa simples deixar o pênis confortável de maneira perfeita nas vestimentas. 

Dentro da calça aperta, do short desliza e da cueca esquenta.

Uma hora, a temperatura do membro aumenta de maneira descontrolada, seja pelo calor ambiente…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )