Pular para o conteúdo principal

O FIAPO DE UMA ERA




Sempre achei estranho postar uma foto de si mesmo para ilustrar um texto, mas nesse caso é inevitável...

Tive que tirar a minha linda, máscula, sedosa, cheirosa e heterossexual barba, pois o calor de Belém está "com embaçamento". 

Tudo tem limite!

Deixei a barba crescer porque fui contratado para ser Jesus em uma peça de teatro. O projeto não foi para frente, porém, criei e escrevi um outro personagem para aproveitar a barba já crescida. 

O personagem rendeu, e o que era pra ser apenas um ou dois roteiros, acabou virando uma temporada inteira bem sucedida.

A barba me trouxe status, dinheiro, drogas e, o principal, mulheres interessantes - muitas! Várias! De todos os tipos!

[ inclusive com barba ] 

Mas tudo na vida chega a um fim, e, assim como os Beatles, resolvi parar no auge...raspei toda a minha barba. É duro dizer e aceitar isso, mas é o fim de uma "Era de Ouro".

Escrevo este texto com dor no coração, olhos marejados e assistindo a um capítulo da "novela das 8", ou "das 9", ou "das 10"...ah, nunca sei direito! Vive mudando!

Quem sabe um dia, mais maduro e digno de carregar esse poder que torna todo homem um verdadeiro mutante do X-men, eu encontre a minha barba novamente por aí.

Onde quer que esteja, seja no ralo de um banheiro ou nas lâminas de uma gillette enferrujada, lembre-se das nossas noites juntos em que, na falta de um corpo feminino, foste tu quem me acaloraste (lágrimas). 

Já estou com saudades, minha barba. 
Beijos e um cafuné.


- Cleydson Ramones






Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )