Pular para o conteúdo principal

EXPECTATIVAS


   

A nossa (e de todos nós mesmos) grande culpa, tratando-se de relacionamento, está nas expectativas que projetamos no outro. O problema é que no caso do amor ou de apaixonar por alguém, essa "culpa" acaba sendo inevitável. 

Infelizmente não viemos com uma chavezinha de ON/OFF para controlar esses sentimentos. Simplesmente acontece! 

Se  as expectativas foram nossas, e só nossas, realmente essa pessoa, na verdade, jamais existiu. Tudo não passou de uma invenção, impulsionada por uma faísca qualquer do acaso, que virou uma grande combustão por culpa de nossa carência e eterno medo de "terminarmos sozinhos". 

E como driblar essa expectativa?

Não dá! Não mesmo! Pois somos feitos disso: da busca insaciável daquilo que ainda não se tem. O novo nos fascina, nos embriaga, inclusive, pode até nos matar.

O grande problema deste delírio é quando a realidade confronta a pessoa sonhada, e as coisas acabam não dando certo para nós. Então, precisamos absorver os impactos da frustração de algum jeito. Seja lá como for!

O luto das perdas, que infelizmente faz parte da arte do "viver", é o amortecedor dolorido que humaniza à todos nós que, muitas vezes, nos achamos super heróis imortais, onde nada nos atinge. Não, não somos invencíveis e, se não atentarmos, corremos o sério risco de perecermos junto com os nossos desejos que não foram alcançados.

As expectativas precisam  ser enterradas...

Veladas e sepultadas com direito a café amargo, velas imensas e vestido preto. Vivencie as dores e chores os desamores. O luto se encarregará da cerimônia final. 



(Cleydson Ramones)






PS: Se você leu até aqui, é pq gostou. Então, para ajudar o BLOG aperte o botão G+1 do Google. E curta a página no Face para receber os próximos textos em primeira mão

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )