Pular para o conteúdo principal

Manifesto: MAS, SE FOR PARA AMAR, QUE NOS AMEM POR INTEIRO...



Não há amor pela metade. Esse sentimento forte, intenso e cheio de vida, não combina com mediocridade.

Amor existe para entregar-se por completo!

Ele, também, não precisa de fórmulas ou explicações, até porque não é para se entender, mas sim para se sentir - cada um a sua maneira ou sensibilidade.

Homem com mulher; homem com homem; mulher com mulher; quinze com quinze; cinquenta e dois com vinte; dezenove com quarenta e três. O Amor não tem idade e, muito menos, sexo.

Moldura moral? Isso é para os medíocres, estáticos e presos por suas engessadas crenças milenares. Este sentimento, mais conhecido como "dom divino", não é para se enquadrar, ele respira, pulsa, lateja, ferve e grita fora das "molduras".

Amar é a CORAGEM de navegar contra as marés do "Pensamento de Manada" que incansavelmente tenta nos limitar e impor regras através de suas âncoras enferrujadas. O vento que sopra as velas da sua embarcação vem do teu indivíduo ou da manada?

O medroso se satisfaz com a metade; o Amor se oferece por inteiro. A ética agoniza por certezas; o Amor se atira de olhos fechados. O politicamente correto clama por padrões; o Amor viaja em um túnel colorido, de orgasmo, em gozos múltiplos.

Um dia, todos nós aqui iremos morrer, mas o Amor fará, deste drama da nossa vida humana, um último e engraçadíssimo "Romance Tragicômico" ou uma derradeira bela poesia, pois, assim como a Arte, O AMOR VERDADEIRO TRANSCENDE, tornando-se, com isso, maior que a morte.





Belém, Setembro de 2015
Cleydson Ramones

Postagens mais visitadas deste blog

EM UM JURUNAS-MARAMBAIA

Vermelho, o sinal fechou!


Nossos veículos se emparelharam...
Eu no ônibus, voltando do trabalho e ela em um Palio azul, provavelmente voltando da escola, pois vestia um tipo de uniforme. Eu com meu fone de ouvido e ela com uma boneca no colo. Eu em pé, olhado a janela e ela sentada, olhando a janela. A mesma janela.

Verde! O sinal abriu! 


Meu ônibus andou três metros...

Chovia forte, engarrafamento enorme, ônibus lotado e um vendedor de guarda-chuva aos berros. Barulho da água caindo, barulho das buzinas, barulho das pessoas reclamando e um grito de "um é 20, dois por 30".


Vermelho de novo!


Novamente meu ônibus ficou lado à lado com aquele carro. Esta coincidência, naturalmente, trouxe dois sorrisos - um meu e um dela, a menina do Palio azul.

Ela apontou para os seus dois ouvidos, meio que perguntando sobre o meu fone que lhe chamou atenção. Sorri, fiz uma careta e apontei para sua boneca. Ela sorriu de volta, devolveu a careta, e assim foram todas as vezes que os nossos veículos se…

A INVEJA DO P...?

Seja na rua, no trabalho ou numa festa, uma das missões mais importantes e desafiadoras para os homens, que há muito tempo deixaram de ser das cavernas, é poder dar aquela coçadinha na região das partes íntimas sem que nenhuma mulher perceba.
Na verdade, a grande maioria das vezes não é uma coçada, mas simplesmente uma melhor acomodada no "meninão".

Essa arte milenar de se aliviar discretamentefoi estudada de maneira profunda por inúmeros especialistas, durante vários séculos, até chegarmos à fórmula mágica nos dias de hoje - bolso da calça. Basta fingir que vai pegar alguma moeda, bombom ou simplesmente guardar o celular, que está tudo resolvido. 

As mulheres reclamam! Dizem ser feio, mas jamais irão compreender, até por não terem um, que não é uma tarefa simples deixar o pênis confortável de maneira perfeita nas vestimentas. 

Dentro da calça aperta, do short desliza e da cueca esquenta.

Uma hora, a temperatura do membro aumenta de maneira descontrolada, seja pelo calor ambiente…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )