Pular para o conteúdo principal

Manifesto: MAS, SE FOR PARA AMAR, QUE NOS AMEM POR INTEIRO...



Não há amor pela metade. Esse sentimento forte, intenso e cheio de vida, não combina com mediocridade.

Amor existe para entregar-se por completo!

Ele, também, não precisa de fórmulas ou explicações, até porque não é para se entender, mas sim para se sentir - cada um a sua maneira ou sensibilidade.

Homem com mulher; homem com homem; mulher com mulher; quinze com quinze; cinquenta e dois com vinte; dezenove com quarenta e três. O Amor não tem idade e, muito menos, sexo.

Moldura moral? Isso é para os medíocres, estáticos e presos por suas engessadas crenças milenares. Este sentimento, mais conhecido como "dom divino", não é para se enquadrar, ele respira, pulsa, lateja, ferve e grita fora das "molduras".

Amar é a CORAGEM de navegar contra as marés do "Pensamento de Manada" que incansavelmente tenta nos limitar e impor regras através de suas âncoras enferrujadas. O vento que sopra as velas da sua embarcação vem do teu indivíduo ou da manada?

O medroso se satisfaz com a metade; o Amor se oferece por inteiro. A ética agoniza por certezas; o Amor se atira de olhos fechados. O politicamente correto clama por padrões; o Amor viaja em um túnel colorido, de orgasmo, em gozos múltiplos.

Um dia, todos nós aqui iremos morrer, mas o Amor fará, deste drama da nossa vida humana, um último e engraçadíssimo "Romance Tragicômico" ou uma derradeira bela poesia, pois, assim como a Arte, O AMOR VERDADEIRO TRANSCENDE, tornando-se, com isso, maior que a morte.





Belém, Setembro de 2015
Cleydson Ramones

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )