Pular para o conteúdo principal

A INVEJA DO P...?




Seja na rua, no trabalho ou numa festa, uma das missões mais importantes e desafiadoras para os homens, que há muito tempo deixaram de ser das cavernas, é poder dar aquela coçadinha na região das partes íntimas sem que nenhuma mulher perceba.

Na verdade, a grande maioria das vezes não é uma coçada, mas simplesmente uma melhor acomodada no "meninão".

Essa arte milenar de se aliviar discretamente foi estudada de maneira profunda por inúmeros especialistas, durante vários séculos, até chegarmos à fórmula mágica nos dias de hoje - bolso da calça. Basta fingir que vai pegar alguma moeda, bombom ou simplesmente guardar o celular, que está tudo resolvido. 

As mulheres reclamam! Dizem ser feio, mas jamais irão compreender, até por não terem um, que não é uma tarefa simples deixar o pênis confortável de maneira perfeita nas vestimentas. 

Dentro da calça aperta, do short desliza e da cueca esquenta.

Uma hora, a temperatura do membro aumenta de maneira descontrolada, seja pelo calor ambiente ou por uma moça charmosa que passa em nossa frente, e, desta maneira, ele dá uma pequena dilatada. Com isso, temos que reacomodá-lo usando a mão.

Outro detalhe que as mulheres não sabem, é que cada homem tem a sua maneira particular de posicionamento dentro das vestes - uns para esquerda, outros para direita, para cima, para baixo, diagonal superior, diagonal inferior, dobrado. É como se fosse a "impressão digital peniana" de cada homem, que precisa ser reajustada conforme a nossa locomoção.

Para você mulher que sempre sonhou em fazer xixi de pé, eu lhe garanto que, definitivamente, não é fácil ter um pênis. Ainda mais quando se tem um que vale por dois.



( Cleydson Ramones )



Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )