Pular para o conteúdo principal

EM UM UFPA-PEDREIRA: MALDITO WHATSAPP

( da série "Linha de Ônibus )



No ônibus, voltando do trabalho, eu estava confortavelmente sentado, ouvindo Red Hot Chili Peppers e posicionado num ângulo estrategicamente mágico para um belo e generoso decote.

Tudo parecia perfeito. Um sonho! Mas apenas parecia: avistei uma senhora em pé, escorada na barra de ferro de um dos assentos e quase dormindo.

Gentilmente, pois quero ir para o céu que dizem ter "40 virgens" e um Playstation-9 para cara homem, tive que ceder meu lugar para a mulher, que deveria estar exausta depois de um longo dia de trabalho.

Porém, imediatamente logo após sentar-se, a primeira coisa que ela fez, afobadamente e sem respirar, foi tirar o seu celular do bolso e ir direto para o WHATSAPP teclar com um tal de Tião (deu pra ver o nome do sujeito, pois o visor da tela era imenso).

Velha maldita!

Fui tomado de um ódio gigantesco jamais sentido antes. Todos os meus demônios se reuniram de uma só vez em meu interior. Várias emoções ferviam no mais alto grau de ebulição por dentro de mim.

Veio três cenas em minha cabeça...

A primeira, meu braço atravessando a janela de vidro à minha frente com um soco estilo Mike Tyson. A segunda, eu de Huck - todo verde, ultra musculoso e com aquele shortinho rasgado - arrastando ela pelos cabelos de um lado para o outro no chão do ônibus. A terceira cena eu não posso contar, pois é algo altamente pornográfico.

A infeliz estava praticamente dormindo em pé, mas feito um passe de mágica, na verdade um feitiço maligno, acordou e foi teclar saliência com o tal do Tião.

Velha maldita!

Tião maldito!

Whatsapp maldito!



Cleydson Ramones



Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )