Pular para o conteúdo principal

Daniel Alves em "O Bem Dotado", 21cm de pura banana


daniel-alves-banana

Eram 30min do 2° tempo de uma partida de futebol. Uma banana foi arremessada das arquibancadas rumo ao campo de jogo, e caiu próxima à Daniel.

Uma pena para a banana e todo o preconceito que ela carregava, pois caiu logo ao lado de um homem SUPERDOTADO.

Um homem dotado de inteligência. Dotado de bom humor. Dotado em ter uma pele linda. Dotado em ser dotado...afinal de contas, quem aqui nunca deu uma olhadinha para o lado, no vestiário, após o término de uma partida de futebol em que todos os homens tomam banhos nus? Eh, gente, os negões são F@#S mesmo, não há como negar!

O jogador brasileiro agachou-se, pegou a banana, descascou e engoliu.

Só que com esse ato, Daniel não estava apenas engolindo uma simples banana, mas também mastigando, triturando, devorando à todas as pessoas que se acham superiores por um tom de pele, que com certeza devem ser mulheres "mal comidas" e homens "ruins de cama".

Pessoas covardes que projetam defeitos nos outros para camuflar as suas próprias frustrações, fraquezas e impotências. Impotentes! Por que quem se garante, amigos...se garante!

O indivíduo da arquibancada tinha uma banana, mas Daniel não se intimidou, pois a banana que ele deu pra essa pessoa e toda a situação, foi maior ainda: digamos que uns 21cm de banana grossa e cascuda.

                                                                                   

( Cleydson Ramones )




PS: Se você leu até aqui, é pq gostou. Então, para ajudar o BLOG aperte o botão G+1 do Google. E curta a página no Face para receber os próximos textos em primeira mão

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA ABERTA A ZENALDO

Belém, 27 de novembro de 2016.
Caro Prefeito,

Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Zenada! Zenada! Zenada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nariz de Palhaço!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! 
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nanismo Político!!! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nada! Nada! Nada! Nada! Nada! Nada!
Nad…

8 DE MARÇO

Ah, se as mulheres...

Soubessem como é bom encontrá-las despenteadas, como ficam provocantes andando descalças pela casa e que não precisam fingir dor de cabeça.

Soubessem que o mais simples vestido em seu corpo se torna deslumbrante, que muita maquiagem esconde a essência e que versões editadas são chatas.

As, se as mulheres...

Soubessem como é hipnotizante vê-las lambendo os dedos após comer algo, como é gostoso apertar aquela carninha sobrando em seu cintura e que o natural também nos comove. 

Soubessem que apenas um sorriso seu é mais valioso que mil DR's de mil horas, como ficam atraentes quando usam um de nossos blusões e que as vezes menos é mais.

Ah, se as mulheres...

Soubessem como são sensuais ao ficarem na pontinha do pé para pegar a lata de ervilha em cima do armário. Soubessem como o perfume que exala diretamente de seus poros nos embriaga. Soubessem que elas por si só já nos fascinam.

Ah, se as mulheres soubessem. 



( Cleydson Ramones )





MINHA PUTA LITERÁRIA

Cada trecho escrito, um gemido
Cada letra no papel, um sussurro

Vontade de ir mais fundo,
até a última linha
De lhe tirar o fôlego, as palavras
De fazê-la provar cada gota da caneta
De usar suas costas feito um papel, 
e assinar o meu nome

Minha
Ela gosta de ouvir - minha
"Repete, por favor" - minha

A escrita relembrando nossas transas
é um momento de suspiro,
de gozo
Uma mão no lápis,
a outra na imaginação
E o seu corpo nu na cama
é como um livro aberto
na minha página favorita

Minha
Quero ouvir a tua voz - "sua"
Repete, gemendo - "sua".



( Cleydson Ramones )